O PECADO NA VIDA CRENTE (9)

O servo de Deus não morre

O Poder para Ser um Servo Fiel é Destruído

O servo fiel tem algo para ministrar aos outros. Ele continuamente conhece a beneficência, o juízo e a justiça na terra. Ele conhece que o Senhor é O Senhor (Jr 9:23,24). Ele tem constantemente a alegria e o gozo no seu coração que a Palavra de Deus produz (Jr 15:16). Ele bebeu naquele dia da fonte da água, que salta para a vida eterna e por isso tem o poder de Deus na sua vida (Jo 4:14; At 1:8). Este crente tem um relacionamento vivo que emana do seu andar com Deus. Mas, se o servo está praticando pecado, se tem mãos sujas, se não tem comunhão viva com o Senhor, como é que ele vai ter algo para proclamar ou pregar? Como é que o crente vai ser um servo fiel quando o céu parece fechado (Sl 34:16), o espírito parece morto (Sl 32:3,4) e as suas experiências estão confusas? Esse servo de Deus tem problemas sérios com ele mesmo, com o seu Deus e, consequentemente, com o mundo.

Continuar lendo “O PECADO NA VIDA CRENTE (9)”

O PECADO NA VIDA DO CRENTE (7)

Arrependimento não é remorso , é transformação

Parte – II

O QUE ACONTECE QUANDO O CRENTE PECA?

O Cristão está seguro eternamente em Cristo, mas essa segurança não deve ocultar a verdade de que o pecado tem efeito na sua vida terrena. O estudo que segue considerará essas verdades.

Temos estudado até este ponto as belezas de ser conhecido por Deus através do Seu Filho Jesus Cristo. As bênçãos de tal relacionamento gracioso são maiores do que a condenação que qualquer ação pecaminosa pode trazer na vida. Mas estas verdades só confortam os Cristãos verdadeiros. De maneira nenhuma devem desculpar o domínio do pecado na vida de qualquer. Para a pessoa que quer andar com o nome de Deus na boca, mas quer amar o pecado no coração, estas verdades estudadas não têm nenhuma colocação. Se tal pessoa pode amar o pecado, sem ter a mão pesada de Deus castigando-a, a verdade plena é que tal pessoa não conhece Deus verdadeiramente. Essa pessoa não deve se iludir. Se uma pessoa não tem uma nova natureza (II Co 5:17), que é testemunhada através do Espírito Santo morando e transformando a sua vida à imagem de Cristo (Rm. 8:11-14, 29), então essa pessoa não é nada de Deus. É a necessidade de ser nascido de novo, do Espírito (Jo 3:5-8).

O PECADO NA VIDA DO CRENTE (1)

Introdução

Podem pensar muitos que, uma vez que uma pessoa se torna crente, ela nunca mais peca. É uma verdade que aquilo que é nascido no crente não pode pecar e nunca vai pecar (I João 3:9; 5:18). Esse que é nascido é a natureza divina no crente. A natureza divina no crente não pode pecar, mas o crente pode. O pecado que o crente tem é ligado a ele por ele viver no mundo (I João 2:16) e ter o pecado ainda nos seus membros (Rom 7:23). Enquanto o crente está na carne, terá o problema do pecado (Mat. 26:41; “… o espírito está pronto, mas a carne é fraca.”). Se não tivesse a possibilidade do crente ser influenciado pelo pecado, Davi não teria orado: “Expurga-me tu dos que me são ocultos.” (Sal 19:12; 119:133) e nem teria dito: “O meu pecado está sempre diante de mim” (Sal 51:3). Jesus também não teria orado ao Pai que “os livres do mal” (João 17:15). Paulo tinha uma luta constante que o provocou a lamentar: “Miserável homem que eu sou! Quem me livrará do corpo desta morte?”(Rom 7:24).

Continuar lendo “O PECADO NA VIDA DO CRENTE (1)”

O JEJUM NO NOVO TESTAMENTO – Parte 1 – Rogério L. Clavello

INTRODUÇÃO

        Em todas as epístolas (os livros do Novo Testamento escritos para a Igreja) não há um único versículo em que a Igreja é exortada a jejuar. Isto não significa que não devemos fazê-lo. O jejum é mencionado, mas não há regras estabelecidas. Isso ocorre porque o jejum deve ser feito de acordo com a necessidade da ocasião.

Continuar lendo “O JEJUM NO NOVO TESTAMENTO – Parte 1 – Rogério L. Clavello”