Três Perigos do “Momento de Louvor” do Culto – Matt Merker (4)

20160605_205113

  1. O momento de louvor pode fomentar uma cultura de entretenimento.

Terceiro, o momento de louvor pode fomentar uma cultura de entretenimento. Esse perigo é irônico, é claro, porque um dos propósitos do momento de louvor é unificar um grupo de cânticos em torno de um conteúdo teológico. Mas eu temo que, com freqüência, o que a congregação experimenta ao cantar durante um momento de louvor não é uma nova apreciação de um tema bíblico, mas uma jornada semelhante à de um show através de uma sequência empolgante de cânticos.

Embora eu não seja contra a criatividade e a emoção na adoração pública, eu creio que é possível priorizar a resposta emocional que advém da música de tal modo que a verdade bíblica é negligenciada, em vez de iluminada. Uma implicação de Colossenses 3.16 é que, se a palavra de Cristo não habitar ricamente em nós à medida que cantamos, então alguma coisa deve mudar na maneira como cantamos.

Como Neil Postman defendeu em Amusing Ourselves to Death [“Distraindo-nos até a morte”, sem tradução em português], o entretenimento tornou-se o discurso dominante de nossa época. Embora a igreja deva reconhecer esse fato, ela não deve capitular a ele. Nossos cultos não devem parecer com um show ou programa de TV, ainda que esses modos de discurso definam a maneira como o homem pós-moderno experimentam o fluxo de idéias. Em vez disso, nós temos a oportunidade, em nossos cultos, de moldar um tipo diferente de discurso, um que comece com a auto revelação de Deus. O nosso culto – seja contemporâneo ou tradicional, mais ou menos litúrgico – deve fugir do experiencialismo centrado no homem e abraçar o Deus transcendente.

Então, se o momento de louvor puder ajudar as pessoas a adorar, entesourar e entender mais do nosso santo Criador, então use-o sem pestanejar. Mas se em sua igreja o momento de louvor tende a pôr mais ênfase na habilidade da banda do que na excelência do Redentor, alguma coisa precisa mudar.

Como podemos resistir à tendência de o momento de louvor, lentamente, levar a igreja a um “entretenimentismo”?

Faça tudo o que puder para assegurar que a congregação seja capaz de ouvir o canto uns dos outros. Esse é um princípio bíblico básico, dado que Paulo exorta os crentes a falarem “uns aos outros” com salmos, hinos e cânticos espirituais (Efésios 5.19). Mas também há um longo caminho para cultivar uma atmosfera de alegria e envolvimento com as letras.

A consciência da presença de outros no culto corporativo, e de como o volume e a expressão do seu próprio canto efetivamente encoraja outros, ajuda a impedir o egocentrismo. Na prático, isso pode envolver diminuir o volume da banda ou orquestra, e instruir os músicos a focarem em um acompanhamento simples e de bom gosto, em vez de uma exibição complexa ou cheia de técnica.

Proporcione uma estrutura que ajude a interpretar o louvor por meio da música. Por exemplo, em vez de começar o culto com as luzes apagadas e um solo de guitarra cheio de efeitos (o que soa demais como um show), comece com um chamado à adoração extraído da Palavra de Deus ou uma breve oração.

Antes de a música começar, faça com que o líder de culto dê algumas palavras de instrução ou exortação de modo a colocar o(s) cântico(s) em contexto. Essa interpretação do que está por vir é de grande valor não apenas para os crentes, mas também para os incrédulos, que podem não saber o que fazer com a música que estão prestes a escutar. (Veja 1Coríntios 14.24 acerca da prioridade em tornar o culto compreensível aos visitantes incrédulos). Sim, pode parecer um pouco travado e estranho ter esses pequenos comentários antes do canto. Mas até mesmo essa quebra de ritmo no culto é uma coisa boa, porque envolve a mente da congregação e inibe a passividade que a cultura de entretenimento promove.

Semelhantemente, mantenha as luzes acesas. Penumbra, máquinas de fumaça e holofotes, todos gritam que o foco deve estar nos músicos à frente. Em contraste, a luz acesa e uma plataforma modesta – até mesmo colocando os músicos fora dela, na lateral, se possível – transmite a idéia de que o que realmente importa aqui não é o coral ou o grupo de louvor, mas o conteúdo dos cânticos e a participação de toda a congregação.

Veja o silêncio como um amigo, não um adversário. Se houver alguns momentos de quietude entre um cântico e uma oração, ou entre o ofertório e o sermão, isso não é um desastre. Afinal, este é um encontro de cristãos para o louvor, não uma produção de TV. De fato, permitir momentos de silêncio nas transições pode renovar o paladar mental das pessoas e permitir que a igreja reflita no que já aconteceu no culto. Além disso, use momentos planejados de silêncio para reflexão e oração. Sentar-se em um salão com dúzias ou centenas de outros crentes e, simplesmente, ficar quieto perante o Senhor é fortemente contracultural em nossa época barulhenta e distraída.

Mais ferramentas na caixa

Em tudo isso, eu não estou tentando fazer do momento de louvor um bicho-papão. É uma ferramenta útil. Mas, por essas três razões, eu não penso que ele deva ser a única ferramenta em nossa caixa. E, se nós de fato usarmos o momento de louvor, nós devemos fazê-lo de um modo que unifique a ordem de culto, em vez de dividi-la; que enfatize os demais elementos de culto, em vez de menosprezá-los; e que promova temor diante de Deus, em vez de uma experiência de entretenimento.

No que se refere ao planejamento de um culto de adoração, há muita liberdade com respeito às formas e circunstâncias nas quais a congregação lê a Palavra, canta a Palavra, ora a Palavra, ouve a Palavra pregada, e vê a Palavra nas ordenanças. Eu oro para que, à medida que pastores e líderes de música pensem além do momento de louvor, Deus nos dê sabedoria para liderar nossas congregações de modo que ofereçam um apropriado sacrifício de louvor. Eu oro para que nossas igrejas, cheias do Espírito de Deus, deleitem-se cada vez mais no Filho de Deus, aquele que se entregou por nós para que pudéssemos ser adoradores seus.

Notas:

[1] Bob Kauflin. Worship Matters: Leading Others to Encounter the Greatness of God (Wheaton, IL: Crossway Books, 2008), 114. Publicado em português com o título Louvor e adoração (Curso Vida Nova de teologia básica – Vol. 11. São Paulo: Edições Vida Nova, 2011).

[2] Terry Johnson, Reformed Worship: Worship That Is according to Scripture (Greenville, SC: Reformed Academic Press, 2000), 35. Publicado em português com o título Adoração reformada: a adoração que é de acordo com as Escrituras (São Paulo: Os Puritanos, 2001).

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s