Três Perigos do “Momento de Louvor” do Culto – Matt Merker (3)

20160522_210012

2. O momento de louvor pode levar uma igreja a menosprezar os elementos de culto não musicais.

Outro perigo do momento de louvor é que ele pode levar uma igreja a menosprezar os elementos de culto não musicais. Paulo disse a Timóteo: “Dedique-se à leitura pública da Escritura” (1Timóteo 4.13, NVI). Ele instruiu o jovem pastor a conduzir a sua igreja a oferecer “súplicas, orações, intercessões, ações de graças” (1Timóteo 2.1). A sua expectativa era de que os membros da igreja de Corinto separassem a sua oferta “no primeiro dia da semana (1Coríntios 16.2), passagem da qual muitos inferem que a oferta era uma parte integral da adoração pública da igreja do Novo Testamento. Jesus ordenou seus seguidores a batizarem novos discípulos (Mateus 28.19) e lhes deu a sua Ceia para que eles pudessem proclamar a sua morte até que ele venha (1Coríntios 11.26). Há muito mais a fazer na igreja do que cantar e pregar.

O perigo do momento de louvor é que esses outros elementos da adoração bíblica podem ser deixados em segundo plano. Se a congregação espera (ou até mesmo exige?) experimentar uma progressão musical criativa e bem ensaiada, isso pode eliminar essas outras expressões ordenadas de adoração. Decerto, eu não estou sugerindo que ninguém intencionalmente ponha de lado os elementos bíblicos de culto. Eu apenas desejo enfatizar um padrão que tenho observado: quando uma igreja privilegia a adoração por meio do canto, dando-lhe a maior porção de tempo e foco, esses outros elementos de culto tendem a se tornar fracos e superficiais.

Como os pastores e aqueles que lideram o louvor por meio de canto podem trabalhar contra essa tendência?

Se você usa o momento de louvor, resista à idéia de que esse momento deva conter apenas música a fim de ter máximo impacto. Isso não é um show. Intercale orações e leituras entre os cânticos.

Promova uma cultura de adoração por meio de oração vigorosa em seus cultos. Se você dedicar tempo significativo à oração durante o culto público, não deve surpreender que os membros de sua igreja aprendam a priorizar a oração em suas vidas particulares.

Como nós encorajamos nossas orações públicas? Saturando-as com verdades bíblicas: “Não é da Bíblia que aprendemos a linguagem da confissão e da penitência? Não é da Bíblia que aprendemos as promessas de Deus nas quais crer e pelas quais clamar em oração? Não é na Bíblia que aprendemos a vontade de Deus, os mandamentos de Deus e os desejos de Deus pelo seu povo, pelos quais nós devemos suplicar em oração? Uma vez que estas coisas são assim, as orações públicas devem repetir e ecoar a linguagem da Bíblia do começo ao fim”.[2]

Há também uma correlação entre tempo de ensaio e valor. Se a sua igreja valoriza música bem elaborada, é provável que a sua banda ou coral gaste horas em ensaios. Por que não gastar o mesmo tempo e esforço ao preparar orações públicas?

Por fim, promova uma cultura de adoração por meio da leitura bíblica em seus cultos. Se nós cremos que a Palavra de Deus é “mais cortante do que qualquer espada de dois gumes” (Hebreus 4.12), vamos tirá-la da bainha e deixá-la fazer o seu trabalho. Leia de tal modo que as majestosas verdades da Escritura ecoem nos ouvidos da sua congregação. Considere treinar um número de congregantes para que leiam bem a Escritura: com significado, ênfase, gravidade e alegria. Nós distribuímos o excelente artigo de Tim Challies sobre como ler a Escritura em público a todos aqueles que fazem a leitura em nossa igreja.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s