COMO SE FAZ A GUERRA ESPÍRITUAL (6) – HAROLD CABALLLEROS

maxresdefault

O DIAGNÓSTICO – Rm 1:19-21

Um dos princípios da assim chamada “arte da guerra” é ter o conhecimento acerca do inimigo (Pv 20.18).

Ec 9:13-18 – “Melhor é a sabedoria que as armas de guerra”.                                    Se queremos ter êxito na guerra espiritual, precisamos estar conscientes da necessidade que temos de um conhecimento preciso acerca das condições da batalha (1Co 9:26).

1. O MAPEAMENTO ESPIRITUAL

Mapeamento espiritual é uma técnica que nos propicia o equivalente à espionagem e à inteligência militar. É também chamado de cartografia espiritual. O mapeamento espiritual é a maneira de discernir com precisão as potestades no reino espiritual, as estruturas no âmbito cultural e seus efeitos no campo natural.

O mapa espiritual que se obtém por meio do mapeamento é a imagem que se tira das regiões celestes.

O princípio básico, fundamentado em Romanos 1.18-20, é: “o que é visível revela-nos o que é invisível. O que podemos ver explica o que está oculto aos nossos olhos”.

2. A INTERAÇÃO DO QUE É ESPIRITUAL COM O QUE É NATURAL

O que é natural é somente um reflexo do que é espiritual, é sempre existe uma conexão entre eles.

Is 45.1-3 – Deus revela novas informações a seu povo para que possamos ter um melhor desempenho nas batalhas e obtermos a vitória.

O mapeamento espiritual é a revelação de Deus sobre a situação espiritual do mundo em que vivemos. É uma visão que vai além dos nossos sentidos e, por meio do Espírito Santo, as forças espirituais do mal são reveladas.

O mapeamento espiritual nos dá uma imagem ou fotografia espiritual da nossa situação nas regiões celestes. O mapeamento espiritual é uma arma para os intercessores. É uma visão sobrenatural que nos mostra as linhas do inimigo, sua localização, seu número, suas armas e, sobretudo, a maneira de derrotá-lo.

O mapeamento espiritual tem o mesmo importante papel da inteligência e da espionagem numa guerra. Revela as condições por trás das linhas do inimigo. É uma ferramenta espiritual estratégica, sofisticada e poderosa em Deus para ajudar a derrubar todas as fortalezas do inimigo.

3. CONCEITO DE VALENTE

Os Evangelhos chamados sinópticos fornecem-nos três referências com respeito ao “valente”: Mateus 12.29; Marcos 3.27; Lucas 11.21,22.

Qual é o motivo desta expressão na Bíblia? Por que valente, ou homem forte? Por que não espírito valente, ou principado valente, ou potestade valente? Por que especificamente “valente” ou “homem forte”? É evidente que Deus está falando aqui sobre a interação dos seres humanos com o campo espiritual.

O Diabo escolhe aqueles que estão dispostos a servi-lo e os eleva a uma posição de liderança na Terra. Estes líderes humanos atuam como valentes de Satanás e representam as características dos principados a quem servem. Estas pessoas cultivam uma relação direta e íntima com os demônios por meio de suas atividades ocultistas.

Temos o exemplo do relacionamento entre o príncipe de Tiro e o Rei de Tiro, em Ezequiel 28. 2 e 12. Daniel dá – nos outro exemplo com respeito ao príncipe da Pérsia e o rei da Pérsia (Dn 10.13). Eles eram seres espirituais que tinham uma direta relação com os impérios da Grécia por meio de seus imperadores, seus governantes terrenos (Is 24.21).

O Diabo governa por meio dos reis da Terra. Como? Por meio da relação íntima que seus anjos de trevas têm com as pessoas que escolhem entregar-se a Satanás.

O conceito de “valente” é um elemento de grande importância na Guerra Espiritual” e, portanto, também para o mapeamento espiritual, que tem como objetivo a identificação desse valente.

4. INSTRUÇÕES PRÁTICAS PARA O MAPEAMENTO ESPIRITUAL

O mapeamento espiritual adequado exige um esforço coeso, dirigido para a conquista de cada território.

Focalizar o nosso assunto em três perspectivas: na do espírito, na da alma e na do corpo.

A) O plano

a) A Visão:

A evangelização da nação, do estado ou da cidade.

b) Objetivos específicos:

– Realizar o mapeamento espiritual que nos permita conhecer, tanto quanto possível, a situação, os planos e as estratégias do inimigo, a fim de entrar em batalha com inteligência e, como resultado, obter a vitória no menor tempo possível e com o menor número de baixas.

– Usar a informação obtida da na guerra espiritual com o propósito de derrotar as “potestades” do inimigo objetivando estabelecer o senhorio de Jesus Cristo nesse território.

– Se tudo transcorrer bem, haverá uma vitória espiritual que afetará a região ou nação com um avivamento, uma reforma e, consequentemente uma restauração.

c) Procedimento

– Começamos orando e jejuando para determinar o território sobre o qual vamos trabalhar.

– Uma vez determinado o território de trabalho, o próximo passo consiste em recrutar pessoal: irmãos e irmãs de bom testemunho, cheios do Espírito Santo de sabedoria e de fé.

– Uma vez reunida a nossa equipe de trabalho, iniciamos um programa periódico de jejum e oração.

– A partir deste momento, estamos em condições de dividir a equipe em três grupos. A divisão é feita segundo nossas necessidades e de acordo com os dons específicos de cada pessoa. Os grupos são de três classes:

·        Os integrantes do grupo do fator espiritual. São aqueles que têm um especial interesse na oração; são intercessores maduros que sabem ouvir a voz do Espírito Santo.

·        Os integrantes do grupo do fator histórico e cultural. São aqueles que tem habilidade e inclinação para a investigação.

·        Grupo relativo ao fator físico. Deste último grupo, participam especialmente aqueles que têm uma curiosidade e uma intuição inatas, acompanhadas de muita energia. Serão os que, literalmente vão percorrer ao o território fazendo o levantamento de informações, observando os locais e, muitas vezes, tomando os dados do mapa.

Uma vez constituídos os grupos, a comunicação entre eles é proibida, isso é feito para evitar o cruzamento de informações.

Os três grupos de trabalho investigam os fatores espirituais, históricos e físicos do território, respectivamente.

FATORES HISTÓRICOS

Para realizar a investigação histórica, as seguintes perguntas devem ser feitas em cada cidade ou bairro do nosso território:

A. O nome ou os nomes

Temos que fazer uma lista ou um levantamento de nomes com que são chamadas as localidades do nosso território e em seguida responder as seguintes perguntas:

·        O nome tem algum significado?

·        Se o nome etmológico não tiver nenhum significado há nele alguma implicação natural ou de alguma outra natureza?

·        É o nome de algum homem nativo, de um indígena ou de um estrangeiro?

·        Refere-se aos primeiros habitantes da região?

·        Há alguma relação entre o nome e as características das pessoas que vivem no local?

·        Esse nome tem uma relação direta com o nome de algum demônio ou de alguma coisa do ocultismo?

·        O nome está vinculado a alguma religião, crença ou seita da região?

B. Natureza do território

·        Este território tem características especiais que o diferem dos outros?

·        A população é receptiva ao Evangelho ou, pelo contrário, oferece resistência?

·        Há muitas ou poucas igrejas evangélicas?

·        As atividades de evangelização têm dado muito fruto?

·        A condição social deste território é uniforme?

·        Prepare uma lista dos problemas sociais mais comuns da localidade: vícios, drogas, alcoolismo, famílias abandonadas, meninos de rua, contaminação do meio ambiente, cobiça, desemprego, exploração dos pobres, etc.

·        Há algum aspecto específico que chama nossa atenção? Por exemplo, podemos definir este território com seus habitantes com apenas uma palavra? Qual seria esta palavra?

C. História do território

Para este trabalho, valemo-nos de entrevistas, de investigações feitas no município ou na comunidade, nas bibliotecas, etc. Uma questão extremamente importante aqui é saber que, eventos ou acontecimentos importantes relacionam-se com o nascimento desta localidade ou território e sob quais circunstâncias isso se deu.

·        Quando se iniciou?

·        Qual foi o seu fundador (ou fundadores)?

·        Qual foi o propósito original de sua fundação?

·        O que podemos saber a respeito de seu fundador?

·        Qual foi a religião de seu fundador? Quais foram suas crenças e seus hábitos? Era adorador de ídolos?

·        Tem havido com frequência ocorrências como: homicídios, violências, tragédias ou acidentes? Há locais que são conhecidos por ocorrências assim, como por exemplo, “esquina da morte”?

·        Há algum fator que sugira a presença de uma maldição ou de algum espírito territorial?

·        Há histórias horríveis? São reais? O que as originou?

·        Quando e onde começa a história da evangelização deste lugar?

·        Como começou? Foi fruto de algum fator específico?

Fatores físicos

Os fatores físicos referem-se a objetos materiais significativos que encontramos no território. Parece que o Diabo, em consequência de seu orgulho ilimitado, frequentemente deixa vestígios ou pegadas por onde passa. Considere os itens seguintes:

·        Faça um estudo, o mais completo possível, dos mapas disponíveis na região, incluindo os mais antigos e os mais recentes, a fim de identificar as mudanças ocorridas. As ruas têm uma disposição ou ordem especial? Dão a ideia de alguma figura ou padrão?

·        Faça um levantamento dos parques existentes.

·        Faça um levantamento dos monumentos.

·        Há lugares arqueológicos neste território?

·        Faça um levantamento das estátuas e estudo as suas características.

·        Instituições de que tipo sobressaem no território: instituições de poder, sociais, religiosas ou outras.

·        Quantas igrejas evangélicas há no território?

·        Faça um levantamento dos lugares onde se adora a Deus e dos lugares onde se adora o Diabo.

·        Uma pergunta extremamente importante: Há “lugares altos” no território?

·        Há um número excessivo de bares, centros de macumba, clínicas de aborto e lojas de pornografia?

·        Um estudo exaustivo da demografia seria de muita utilidade.

·        Estude as condições sociais e econômicas da localidade: crimes, violência, injustiça, orgulho, bênçãos e maldições.

·        Há centros espíritas, terreiros e locais de ocultismo na comunidade? Sua localização atende a uma distribuição com algum particular?

Fatores espirituais

Ao fatores espirituais revelam a causa real dos sintomas expostos por meio da investigação histórica e física.

Os que foram chamados para trabalhar na área espiritual são os intercessores, pessoas com o dom de discernimento de espíritos e que com precisão ouvem a Deus. O grupo de intercessores tem de se dedicar intensamente à oração, com o propósito de conhecer a mente de Cristo e receber de Deus a descrição do status espiritual do inimigo nas regiões celestes sobre o território definido.

Também há perguntas que os intercessores precisam fazer a si mesmos e que orientarão suas orações, mas que não podem substituir o tempo valioso que eles devem passar com Deus em favor do lugar pelo qual estão orando.

·        Os céus estão abertos nesta localidade?

·        É fácil orar neste lugar ou será que sentimos muita opressão?

·        Podemos discernir um véu de trevas?

·        Podemos definir uma extensão territorial?

·        Há diferenças visíveis na atmosfera espiritual sobre as regiões do nosso território? Em outras palavras, estão os lugares celestiais mais abertos ou mais fechados sobre diferentes localidades, repartições ou comunidades da área? Podemos determinar com exatidão essas divisões?

·        Algum nome foi revelado por Deus?

·        As informações de que dispomos nos revelam alguma força maligna, alguma potestade ou algum principado que possamos reconhecer?

·        Deus nos revelou quem é o valente da região?

Quando terminarmos a investigação dos três fatores e cada grupo trouxer seu relatório, teremos como resultado o mapa espiritual das regiões celestes sobre toda aquela área. E então estaremos preparados para a guerra espiritual.

Conclusão

No que se refere à nossa igreja local, a territorialidade de espíritos é um fato.

Compreendemos que o exército maligno das regiões celestes exige adoração e serviço por parte dos seus seguidores e lhes outorga poderes malignos na proporção à sua desobediência.

Quando um território é habitado por pessoas que escolheram os demônios para serem objeto de sua adoração, a terra contamina-se, e esses espíritos territoriais têm o direito de permanecer ali, mantendo cativos seus habitantes. É necessário identificar o inimigo e entrar em batalha espiritual até obter a vitória e redimir o território. O mapeamento espiritual é um meio para identificar o inimigo. É a nossa espionagem espiritual.

O mapeamento espiritual não tem um fim em si mesmo. Trata-se somente de uma técnica para nos dar conhecimento necessário para que a guerra espiritual se faça com eficácia.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s