A FESTA DAS SEMANAS OU DE PENTECOSTES – Levítíco 23:15-21

slide2

A Festa das Semanas ou de Pentecostes durava um dia. Refere-se,portanto, a um acontecimento realizado e que não terá repetição. Veremos como esta festa prefigurava o nascimento da Igreja, a formação do Corpo de Cristo.

Que a Festa das Semanas e a das Primícias são ligadas é evidente.

A festa que ocupa nossa atenção tem vários nomes. Ela é conhecida como a “Festa da Sega” (Êxodo 23:16) e a “Festa das Semanas” e isto devido à referência às sete semanas entre a oferta do molho das primícias e a Festa da Sega (Êxodo 34:22; Deuteronômio 16:10; 2º Crônicas 8:13).

A DATA – Levítico 23:15-17

         A Festa das Semanas era celebrada no dia sétimo do terceiro mês, o mês Siva. O mês judaico era composto de 30 dias.

A palavra “pentecoste” é uma palavra grega e trata-se de uma transliteração e não uma tradução. Ela significa “cinqüenta” . Os israelitas eram obrigados a contar sete semanas, isto é, 49 dias, mais um, dando o total de cinqüenta dias. A Bíblia Viva diz: “Cinquenta dias depois, tragam ao Senhor nva oferta de cereais, das últimas colheitas. Será, então, no dia seguinte ao sétimo dia do descanso semanal, passadas sete semanas completas, a contar do dia da oferta movida, na Festa dos Primeiros Frutos” (v.15).

Esta solenidade tipificava o dia de Pentecostes, quando o Espírito do Senhor foi enviado e quando a Igreja de Deus foi inaugurada (Atos 2:1).

Em Êxodo 40:17, lemos que Moisés armou  o primeiro dia mês do segundo ano. Números 10:11 acrescenta mais um detalhe:” No mesmo ano, no segundo mês, no dia 20 do mês, a nuvem se ergueu de sobre o Tabernáculo e o povo pôs-se em marcha”. Entre o dia em que Moisés ergueu o Tabernáculo e o dia em que o povo abandonou o Sinai passaram-se 50 dias. Era uma nova era para o povo de Israel. O dia de Pentecoste, em Atos 2, significava um novo começo; uma nova época estava iniciando-se – a era da Igreja.

O Senhor deu ordens aos discípulos para que permanecessem em Jerusalém até que o Espírito Santo descesse (Lucas 29;49). O Espírito Santo veio no dia de Pentecoste, portanto, é inútil permanecermos num determinado local, por um período não determinado com o propósito de pedir que o Espírito Santo venha. Ele já veio e, por isso, é desnecessário pedir que Ele venha. Hoje é o tempo de recebermos o Espírito Santo em nossas vidas.

O DEVER – Levítico 23:17-19

  1. Na solenidade das Primícias, nenhuma oferta pelo pecado era oferecida. O molho das primícias fala de Cristo em sua ressurreição. Jesus Cristo era perfeito e não Lhe era necessário oferecer um sacrifício pelos seus próprios pecados, pois não tinha pecado. Ele morreu pelo pecado do mundo e quando Ele levou a tremenda carga do pecado, permaneceu o mesmo salvador santo e puro. Depois da cruz Ele continua perfeito (Hebreus 7:26).
  2. Na solenidade das Semanas, era necessário que houvesse uma oferta pelo pecado, devido à presença do fermento. A vinda do Espírito Santo no dia de Pentecostes não removeu da Igreja a natureza velha e nem Ele foi dado para melhorar aquela natureza. A carne é carne e não pode ser mudada, nem melhorada, nem tão pouco removida enquanto estivermos neste corpo. Isto não nos dá a liberdade para pecar. O nosso alvo deve ser viver em santidade de vida.
  3. Levítico 23 revela a provisão de Deus para a nossa fraqueza. O israelita foi ordenado a oferecer os dois pães levedados,mas com eles também o holocausto e a oferta de manjares. A oferta de manjares tipifica a vida perfeita de Cristo e o holocausto, aquele sacrifício que satisfez completamente o coração de Deus.

Porém, se o israelita pecasse, havia um recurso, um remédio para o pecado (v.19). Deus não quer que pequemos e o pecado na vida do cristão não deve ser o mestre, a regra, a prática ou o normal. Se pecamos, a nossa confissão deve ser imediata a fim de sermos purificados (1João 1:5-9). Assim fazendo, teremos paz com Deus. A oferta pacífica não foi oferecida para estabelecer paz com Deus, mas para manter o israelita em paz com Deus. Quando o crente peca, ele perde aquela comunhão com Deus, ele carrega um sentimento de culpa e a sua comunhão com Deus é interrompida. Aprendamos, então, que o Espírito Santo não pode remover a nossa natureza velha, mas que o sangue de Jesus é a provisão divina para a questão do nosso pecado. O Espírito Santo não remove a nossa velha natureza, mas ajuda o crente a julgá-la e a condená-la.

A DIGNIDADE – V.21

No dia de Pentecostes era proclamada uma santa convocação. Todos os homens de 20 anos para cima eram obrigados a reunirem-se na presença do Senhor. Este é o motivo porque tantas nações estavam representadas em Jerusalém no dia de Pentecostes.

O primeiro dia da semana é assim para o crente. É o dia quando nos reunimos na presença do Senhor. É uma santa convocação.

Já notaram a diferença entre a inauguração da dispensação da lei e a inauguração da Igreja? Em 2ª aos Coríntios 3, Paulo diz que o período da lei começou com uma luz brilhante. Quando Moisés desceu do monte, seu rosto resplandecia e ele foi obrigado a cobrir o rosto. Porém aquela glória foi uma glória efêmera. Cristo, o Mediador de uma nova aliança, está entronizado com o Pai e o brilho e a glória daquele rosto jamais passarão (2ª Coríntios 3:7-11; 4:4). Esse brilho pode ser conhecido por nós (2ª Coríntiios 3:17-18).

Quando a dispensação da lei foi inaugurada, três mil homens morreram. Morreram por causa da sua idolatria, por fabricarem um bezerro de ouro (Êxodo 32:25-29). No dia de Pentecoste, três mil almas foram salvas como resultado da pregação do Evangelho e a operação do Espírito Santo (Atos 2:41)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s