Aprenda o que a igreja é antes de tentar plantar uma – Nathan Knight (3)

4. Qual é o meu trabalho como pastor?

Fomos estabelecidos como pastores porque nosso povo havia sido instruído sobre o que buscar nas epístolas pastorais (1 Timóteo 3.1-7; Tito 1.5-9). Uma vez que nos tornamos uma igreja e fomos oficialmente chamados de pastores, tomamos nossas instruções a partir de Atos 6.1-6 e 20.17-35. Continuar lendo “Aprenda o que a igreja é antes de tentar plantar uma – Nathan Knight (3)”

Aprenda o que a igreja é antes de tentar plantar uma – Nathan Knight (2)

2. Quem compõe a igreja?

A resposta a essa pergunta pode parecer fácil, exceto por todos aqueles alertas na Bíblia sobre falsos mestres, cristãos professos que não perseveram e aqueles que fazem coisas em nome do Senhor, mas nunca foram realmente conhecidos por ele. Portanto, sabíamos que precisávamos ter cuidado com quem se identificava com a igreja. Continuar lendo “Aprenda o que a igreja é antes de tentar plantar uma – Nathan Knight (2)”

Aprenda o que a igreja é antes de tentar plantar uma – Nathan Knight

Então, você está pensando em plantar uma igreja.

Do que você acha que precisa? Do evangelho? Sim. Do poder capacitador do Espírito? Sim. De uma igreja que o envie? Sim. De outras pessoas para irem com você? Sim. De algum dinheiro? Provavelmente. Continuar lendo “Aprenda o que a igreja é antes de tentar plantar uma – Nathan Knight”

A ÁRVORE DA VIDA E A ÁRVORE DO CONHECIMENTO DO BEM E DO MAL (Gn 2.8-9)

1.   O Jardim da Éden

Ambas as árvores foram plantadas no Jardim do Éden. Este era um jardim esplêndido, um paraíso jamais visto no mundo, onde Deus comungava com os seres humanos por Ele criados à sua imagem. A descrição feita por Moisés nos mostra um lugar de verdade, não uma imagem alegórica. Aparentemente tratava-se de uma reserva, um lugar separado, uma área semelhante a um parque florestal. Continuar lendo “A ÁRVORE DA VIDA E A ÁRVORE DO CONHECIMENTO DO BEM E DO MAL (Gn 2.8-9)”

3 maneiras pelas quais o evangelho muda o casamento – Erik Raymond

20160101_011127

Pelas Escrituras, nós sabemos que um casamento cristão nunca é simplesmente uma união de duas pessoas, mas duas pessoas unidas em Jesus Cristo. Esta é outra maneira de dizer que Jesus é a nossa cabeça, o Senhor e o que concede vida ao nosso casamento. Quando um homem e uma mulher abraçam a verdade do evangelho, seja na conversão ou na santificação, sempre há mudanças correspondentes relacionadas a Jesus ser o cabeça do casamento. Abaixo estão três das mudanças mais comuns que Cristo opera em um casamento enquanto o governa por meio do evangelho. Continuar lendo “3 maneiras pelas quais o evangelho muda o casamento – Erik Raymond”

Três Perigos do “Momento de Louvor” do Culto – Matt Merker (4)

20160605_205113

  1. O momento de louvor pode fomentar uma cultura de entretenimento.

Terceiro, o momento de louvor pode fomentar uma cultura de entretenimento. Esse perigo é irônico, é claro, porque um dos propósitos do momento de louvor é unificar um grupo de cânticos em torno de um conteúdo teológico. Mas eu temo que, com freqüência, o que a congregação experimenta ao cantar durante um momento de louvor não é uma nova apreciação de um tema bíblico, mas uma jornada semelhante à de um show através de uma sequência empolgante de cânticos. Continuar lendo “Três Perigos do “Momento de Louvor” do Culto – Matt Merker (4)”

Três Perigos do “Momento de Louvor” do Culto – Matt Merker (3)

20160522_210012

2. O momento de louvor pode levar uma igreja a menosprezar os elementos de culto não musicais.

Outro perigo do momento de louvor é que ele pode levar uma igreja a menosprezar os elementos de culto não musicais. Paulo disse a Timóteo: “Dedique-se à leitura pública da Escritura” (1Timóteo 4.13, NVI). Ele instruiu o jovem pastor a conduzir a sua igreja a oferecer “súplicas, orações, intercessões, ações de graças” (1Timóteo 2.1). A sua expectativa era de que os membros da igreja de Corinto separassem a sua oferta “no primeiro dia da semana (1Coríntios 16.2), passagem da qual muitos inferem que a oferta era uma parte integral da adoração pública da igreja do Novo Testamento. Jesus ordenou seus seguidores a batizarem novos discípulos (Mateus 28.19) e lhes deu a sua Ceia para que eles pudessem proclamar a sua morte até que ele venha (1Coríntios 11.26). Há muito mais a fazer na igreja do que cantar e pregar. Continuar lendo “Três Perigos do “Momento de Louvor” do Culto – Matt Merker (3)”